segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Simulador de direção volta a ser obrigatório


O Conselho Nacional de Trânsito (CONTRAN) publicou uma nova resolução que retorna com a obrigatoriedade do uso de simuladores de direção no processo de retirada de habilitação nas autoescolas.


As autoescolas têm até o dia 31 de dezembro deste ano para se adequarem a nova determinação do CONTRAN, inicialmente será exigido o uso do simulador apenas na retirada da habilitação de categoria B e posteriormente de categoria A.

A resolução de número 543/15 torna obrigatório ao menos 5 horas/aulas (1h, em período noturno), de prática no simulador aos alunos que vão tirar a primeira CNH ou apenas mudar de categoria. É importante dizer que essas aulas deverão ser feitas após o curso teórico e antes do início das aulas práticas de rua.

De acordo com o CONTRAN, a solicitação da volta dos simuladores partiu dos DETRAN’S de todo o país.

Fonte: Portal do Trânsito

terça-feira, 25 de agosto de 2015

Carros antigos aumentam o risco de mortes em acidentes


Não é incomum vermos carros em más condições na cidade. Muitos, tem os pneus carecas, problemas nas setas ou faróis e freios desgastado. Esses fatores juntamente com a idade avançada de um veículo podem contribuir para o aumento do risco de morte em acidentes, uma vez que a manutenção deficiente deste veículo coloca em risco não só a vida do condutor, mas de pedestres e outros motoristas.


Para prevenir o acontecimento de acidentes é necessário cuidado e educação no trânsito aliados à manutenção preventiva e recomendações feitas pelos fabricantes, que especificam as melhores datas e prazos de quilometragem para a troca de algumas peças por exemplo.

Para veículos que não possuem manual, no caso daqueles mais antigos, é válido estabelecer um cronograma próprio de manutenção periódica.

De acordo com um relatório da Sindipeças, chamado Relatório de Frota Circulante, a idade média da frota circulante no Brasil voltou a subir, agora é de 8 anos e 8 meses, entre os automóveis, 41% tem menos de 5 anos de idade, 41% tem entre 6 e 15 anos e os 4% restantes tem mais de 20 anos.

Alguns estudos sobre acidentes incidam que o risco de morrer ou sofrer lesões mais graves aumenta de acordo com a idade do veículo, se comparado com os carros de até 4 anos, o risco de morrer checa a ser 1,6 vezes maior em automóveis que tenha de 10 a 14 anos e 2,2 vezes em autos que tem mais de 15 anos de idade. Por isso, a manutenção adequada de todos os itens de segurança e peças do carro é tão importante para assegurar o mais do que o bom funcionamento, mas também a segurança.



Fonte: Portal do Trânsito

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

10 carros com conserto mais barato

Em tempos de crise, na hora de se comprar um carro muita coisa é avaliada. Preço, promoções, ano, quilometragem, etc. Separamos aqui, mais um critério para você usar como parâmetro na hora de comprar o seu auto, os carros mais baratos em termos de concerto. Os dados são do Centro de 
Experimentação e Segurança Viária (Cesvi) que divulgou este ano o Índice Car Group, que mostra justamente a facilidade e o custo de reparos relacionados à estrutura do carro. Veja a segui uma lista com 10 modelos.

O índice varia de 10 a 60, quanto menor for a pontuação, maior a facilidade e menor o custo de reparo do veículo avaliado.

1 VW Up! I-Motion
Índice Car Group: 11
Categoria: Hatch Compacto
Colocação na Categoria: 1º Lugar
Modelos testados na mesma categoria: 11

2 Citröen Novo C3
Índice Car Group: 16
Categoria: Hatch Compacto
Colocação na Categoria: 2º Lugar
Modelos testados na mesma categoria: 11

3 VW Novo Fox BlueMotion
Índice Car Group: 17
Categoria: Hatch Compacto
Colocação na Categoria: 3º Lugar
Modelos testados na mesma categoria: 11

4  Peugeot 208 Active
Índice Car Group: 20
Categoria: Hatch Compacto
Colocação na Categoria: 4º Lugar
Modelos testados na mesma categoria: 11

5 Etios XS 1.5L
Índice Car Group: 21
Categoria: Hatch Compacto
Colocação na Categoria: 5º Lugar
Modelos testados na mesma categoria: 11

6 Gol City (Trend) 1.0 Mi Total Flex 8v 2p
Índice Car Group: 21
Categoria: Hatch Compacto
Colocação na Categoria: 5º Lugar
Modelos testados na mesma categoria: 11

7 VW Cross up!
Índice Car Group: 10
Categoria: Hatch Compacto Off-Road
Colocação na Categoria: 1º Lugar
Modelos testados na mesma categoria: 1

8 Toyota Etios Sedã
Índice Car Group: 17
Categoria: Sedan Compacto
Colocação na Categoria: 1º Lugar
Modelos testados na mesma categoria: 7

9 VW Polo
Índice Car Group: 18
Categoria: Sedan Compacto
Colocação na Categoria: 2º Lugar
Modelos testados na mesma categoria: 7

10 Chevrolet Prisma Advantage 2015
Índice Car Group: 22
Categoria: Sedan Compacto
Colocação na Categoria: 3º Lugar
Modelos testados na mesma categoria: 7


Fonte: Exame

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Aditivos de combustível, óleo e radiador. O que são e para que servem?


O que são?
Aditivos são uma composição de detergente (hidrocarbonetos específicos para limpeza e não os detergentes de cozinha) com dispersante feita por fabricantes ou distribuidores.

Para que servem?
Existem vários tipos de Aditivos, vamos tratar de todos de uma forma separada.

Aditivos para Combustível:
Os aditivos para combustível atuam na limpeza do motor. Segundo a empresa Bardahl, fabricante de aditivos, o produto atua diretamente na prevenção de sujeiras decorrentes da queima de combustível, as sujeiras são comuns a todos os tipos de motores e combustível mas são piores quando há o uso de gasolinas de má qualidade.

Aditivos para Óleo:
Atua na redução do atrito que é provocado pelas peças do carro e ainda aumenta a resistência à oxidação e corrosão. O uso de adotivos nos óleos não prolonga sua vida útil e sua troca deve ser feita periodicamente.

Aditivo para Radiador:
Atua como antioxidante e antifervura, mas não deve-se utilizar qualquer aditivo em seu veículo. É importante observar as especificações do proprietário já que o uso inadequado pode provocar danos muito sérios ao veículo.

quinta-feira, 6 de agosto de 2015

Emplacamento de veículos cresce em Julho, mas isso não ajuda a superar a crise. Saiba Porquê.

Mesmo com um crescimento de 6,9 % no número de emplacamentos no mês de Julho, a crise continua grande no setor automotivo.


O que vemos desde o começo do ano, são lojistas, grandes concessionárias e bancos facilitando e incentivando a compra de veículos para amenizar a crise e se livrar dos estoques de veículos no pátio. O aumento de 6,9% no emplacamento de veículos no mês de julho, pode ser resultado destas e de outras ações que vem sendo tomadas dentro do setor automotivo como um todo.

Este número, porém, não traz muita esperança para quem vive do setor automotivo. Greves, demissões e férias coletivas continuam acontecendo. Os veículos se acumulam no pátio e a produção caiu drasticamente por não haver demanda o suficiente.

O aumento foi bom? Sim, claro. Mas não é o suficiente já que no acumulado do ano a queda foi de 17,87% sobre 2014, isso significa que foram emplacadas 2.405.467 unidades de janeiro a julho/2015, contra 2.928.868 no mesmo período de 2014.